Texto
Texto, uma editora do grupo LeYa leYa

Falar com os seus filhos sobre álcool e outras drogas

Qual a melhor idade para abordar este tema?

Não existe uma "melhor maneira" de falar sobre álcool e outras drogas. Se tem dúvidas - e toda a gente as tem - sobre como conduzir esta conversa, fale com outros pais e descubra o que resultou bem e o que não resultou no seu caso particular.

Não há também uma "idade ideal" para começar a falar sobre drogas. Frequentemente, a propósito de algo que vê na televisão ou de um episódio do quotidiano, pode ser a própria criança a falar sobre algo que seja a sua oportunidade para a sondar sobre o que sabe (que tenha aprendido na escola, por exemplo) sobre o tema.

A temática do consumo de drogas (lícitas e ilícitas) faz parte dos currículos escolares dos 1.º, 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico, podendo ser abordadas de forma transversal nas várias disciplinas e/ou em áreas curriculares não disciplinares, como “Área Projecto” e “Formação Cívica”.

Não se esqueça que, para uma criança o exemplo dos pais (e professores), espelhado nas suas acções, é mais marcante do que do que todos os "discursos" que lhe possam fazer.


Como fazer?

Em primeiro lugar, informe-se. Existem muitos mitos associados a estas questões e não desejará decerto ser mais um elo na cadeia da desinformação. Junte folhetos, compre livros, fale com o seu médico de família, vá à Internet.

Encontre actividades que você e os seus filhos possam fazer em conjunto. Tente que essas actividades sejam aliciantes - para ambos (limpar a casa em conjunto poderá ser algo muito útil mas pouco aliciante mas... cada caso é um caso). O objectivo é construir uma boa relação e tornar mais fáceis as conversas sobre temas importantes.

Esteja sempre disponível para falar. Ouça os seus filhos. Fale com eles. Diga-lhes o que pensa de forma clara e, quando há dúvidas, não as deixe por esclarecer.

O seu exemplo é fundamental. Como é possível pedir a alguém (seja ou não seu filho) que não faça algo que você não consegue deixar de fazer (seja deixar os sapatos no meio da casa, seja fumar em casa ou cumprir sempre uma promessa).

Tente adiar o mais possível o primeiro consumo de álcool e de tabaco. Tal poderá ser conseguido instituindo, em família, os brindes com bebidas... sem álcool.

Ajude os seus filhos a serem autónomos, a tomar - e assumir - as suas próprias decisões.

Não "actue sozinho". mantenha-se em contacto com as pessoas que têm um papel activo na educação dos seus filhos, sejam elas professores, explicadores, treinadores ou outros.

Promova a auto-estima, quer a sua quer a dos seus filhos. O consumo de drogas é frequentemente associado a uma baixa de auto-estima, pelo que é importante que destaque o lado positivo das situações.

Esteja atento (de forma mais ou menos discreta - você saberá o que se adequa mais à sua situação) à forma como o seu filho ocupa os tempos livres. Seja afectuoso mas firme nas suas responsabilidades.

Existem muitos livros, que recomendam muitos métodos diferentes de abordar a questão das drogas; existem muitas pessoas que partilham a sua experiência e falam do método a que recorreram para enfrentar uma situação de consumo de drogas. Descubra o método que resultará no seu caso e ponha-o em prática. Não desista. Não exacerbe os perigos.
E não esqueça que, a longo prazo, uma estratégia de medo não resulta.